Maria Lynch

(Rio de Janeiro/Brasil, 1981) Vive e trabalha entre Rio de Janeiro e Nova York. Em 2008 finalizou sua pós-graduação e um mestrado pelo Chelsea College of Art and Design em Londres. Realizou inúmeras exposições individuais e coletivas. Suas principais exposições incluem The Jerwood Drawing Prize, uma mostra itinerante em Londres e pela Inglaterra em 2008, Nova Arte Nova no CCBB do Rio de Janeiro e São Paulo com curadoria de Paulo Venâncio. Em 2010 foi contemplada com o prêmio FUNARTE Marcantônio Vilaça. Em 2011 ela foi convidada para a sexta bienal de Curitiba, Vento Sul, com curadoria de Alfon Hug. Em 2012 maria exibiu a instalação Ocupação Macia, no museu do Paco Imperial, no Rio de Janeiro e a performance Incorporáveis, no Museu de Arte do Rio de Janeiro. Ela foi convidada para Mostra de Jogos da Olimpíada de Londres, no Barbican Centre. Em 2013 maria apresentou a exposição individual Acontecimento Encarnado na galeria Anita Schwartz no Rio de Janeiro, foi selecionada e em um edital público pela Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro e a exposição Bordalianos do Brasil na Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa Portugal. Após fazer a Residency Unlimited em Nova Iorque em 2014 ela foi contemplada com um prêmio pela Embaixada Brasileira para uma exposição no Storefront for Art and Architecture, também em Nova Iorque, Estados Unidos. A artista tem obras em importantes coleções, como o Museu de Arte Contemporanea Niterói, Brasil, Centro Cultural Candido Mendes, Rio de Janeiro, Brasil, Commite Olímpico Fine Arts, Londres, UK, Coleção Gilberto Chateubriand, Brasil/MAM-RJ, Rio de Janeiro, Brasil, Ministério das Relações Exteriores – Palácio do Itamaraty, DF, Brasil, Fundação Getúrlio Vargas, Rio de Janeiro, Brasil